Super banner
Super banner

Prefeitura demonstra não querer mais acordo com a Fama

Prefeitura demonstra não querer mais acordo com a Fama

O acordo entre a Prefeitura de Araxá e a Fundação de Assistência à Mulher de Araxaense (Fama), responsável pelos centros de atendimento à Mulher (CAM) e à Criança (CAC), está cada vez mais longe. A Fama recebeu uma notificação do município que solicita a devolução de todo o mobiliário cedido à entidade, como cadeiras, computadores, impressoras, arquivos, mesas e até saboneteiras.

Em resposta à notificação, a superintendente da Fama, Lídia Maria de Oliveira Jordão Rocha da Cunha, alega que os móveis que a prefeitura quer que sejam devolvidos foram destinados ao município com a finalidade exclusiva de serem cedidos à Fama.

Ainda segundo a resposta de Lídia Jordão, os móveis foram doados pela União, através de convênio firmado com o Ministério da Saúde. Desta forma, tendo os móveis finalidade específica, conforme verba federal recebida e bem aplicada pelo Executivo em exercício na época, se torna impossível a devolução dos mobiliário, sem o consentimento do Ministério da Saúde, o que torna inócua (inofensiva) a notificação.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Antônio Marcos Belo, o município precisa do mobiliário para equipar o antigo Pronto Atendimento Municipal (PAM), que agora se chama Unidade de Atendimento de Especialidades (UAE). “Na verdade estamos buscando aquilo que é do povo, cuidando bem dos bens públicos. Ali (Fama) tem dinheiro público e isso não foi dito, doações também, na expectativa de que lá seria um bem público, do povo”, diz.

Secretário rebate críticas por parte de Lídia Jordão

Antônio Marcos Belo falou sobre as críticas levadas a tribuna na última reunião da Câmara Municipal, quando a vereadora Lídia Jordão, em pronunciamento, disse que o secretário tem ódio, presunção e rancor político, vem demonstrando irracionalidade, posições radicais, má vontade alimentada por preconceito político. Além disso, Lídia disse que Antônio Belo é intransigente e acometido do desejo de ser dono da verdade e com pretensões pequenas e fala como se fosse onipotente com último grau em saúde pública. Lídia também afirmou que o secretário faltou com a verdade ao dizer que não se encontrou com ela, no dia 1º de abril, data da entrega do plano de trabalho da Fama.

Ouça a entrevista com Lídia

“Acho isso normal na democracia. Tivemos oito anos de controle do pensamento em Araxá, hoje felizmente, temos a imprensa livre, a Câmara livre, tanto é que ela (Lídia) teve a oportunidade de se manifestar, o que não aconteceu nos últimos anos, os vereadores não se manifestavam”, afirma o secretário.

“Para a felicidade da população de Araxá e para a democracia, por um todo, nada mais importante do que o vereador ter esse espaço para colocar o pensamento dele e para ele se posicionar. Acho que isso é um ganho e o que a gente trabalha é a transparência e a moralidade. Em cima disso é que nós temos esse conceito e essa visão, de a população saber o que acontece com o dinheiro público”, destaca Antônio Belo.

Antônio Belo fala sobre mazelas com o dinheiro público e que realmente se encontrou com a vereadora Lídia no dia 1º de abril

Notícias relacionadas