Super banner
Super banner

TJMG não encontra infrações, em denúncia, que possam cassar mandato de Aracely de Paula

TJMG não encontra infrações, em denúncia, que possam cassar mandato de Aracely de Paula

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) suspendeu os trabalhos da Comissão Processante (CP) instaurado para analisar o pedido de cassação do prefeito Aracely de Paula e dos vereadores acusados de corrupção na caso de compra e venda de apoio político na Câmara Municipal, que reconduziu o ex-vereador Miguel Júnior (PMDB) à presidência da Mesa Diretora em 2014. A desembargadora Teresa Cristina da Cunha Peixoto relata, no deferimento do mandado de segurança que suspendeu o processo de cassação, na última quarta-feira (25), que não estão claras quais infrações cometidas pelos denunciados e aponta irregularidades na instauração do processo no Legislativo.

Segundo o parecer, a denúncia impetrada pela advogado Wilson Costa e Silva não consta quais as irregularidades cometidas por cada um dos denunciados. “As infrações articuladas na denúncia deverão ser claras em relação a cada um dos denunciados, pois somente assim poderão ser votadas ao final do procedimento e cada denunciado tem o direito de defender-se amplamente (…) O impetrante (Aracely de Paula) também não consta como réu da ação criminal (compra e venda de apoio político) mencionada pelo denunciante. Eventual investigação da conduta do chefe do Poder Executivo compete ao Tribunal de Justiça do Estado (a quem cabe autorizar o início das investigações), por mais que ele (prefeito Aracely) conste como requerido em ação civil pública”.

A desembargadora também aponta irregularidades na instauração da Comissão Processante. “O denunciante (Wilson Costa e Silva) proferiu sustentação oral antes da votação sobre o recebimento da denúncia, sem que os denunciados tivessem sido convocados para a sessão ou tivesse eventualmente presentes. A desigualdade no tratamento entre as partes teve início antes mesmo dos denunciados conhecerem a peça acusatória contra eles formuladas. Não foram sequer identificados os partidos políticos dos vereadores desimpedidos para compor a Comissão Processante, sendo colocados todos os nomes em um só compartilhamento para o sorteio. (…) Logo, existindo indícios de irregularidades no procedimento de recebimento da denúncia e na constituição da CP, defiro o pedido de liminar para suspender a tramitação da Comissão Processante até a decisão final”, ressalta a desembargadora.

Fonte: Araxá na Moral

Notícias relacionadas

Inscreva-se
Me avise:
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Mostrar todos os comentários
0
Deixe seu comentário para essa notícia!x