Super banner
Super banner

Vereadores divergem sobre proposta de aquisição de área para fomento ao turismo

Vereadores divergem sobre proposta de aquisição de área para fomento ao turismo

Fórum Comunitário promovido nesta segunda (5) - Ascom Câmara

O segundo Fórum Comunitário da Câmara Municipal desta segunda-feira (5) debateu, por meio de requerimento do vereador Roberto do Sindicato (PP), sobre o projeto de lei 112/2013 de autoria do Poder Executivo que pede autorização de área de 22,5 mil m² pertencente à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) localizada à margem da avenida Geraldo Porfírio Botelho que liga a cidade à Estância do Barreiro.

Inicialmente com o objetivo de adquirir e doar a área proposta para uma instalação de uma filial de fabricação de produtos da Cervejaria Wäls, situada em Belo Horizonte, o projeto sofreu modificações e agora só prevê a aquisição do local no valor de R$ 601.071,10, que, conforme foi relatada na audiência, a finalidade seria para a instalação de um espaço gastronômico e que teria a cervejaria como âncora.“Em um primeiro momento, o projeto chegou à Câmara como uma doação de área pertencente à Cemig para a cervejaria e depois foi mudado o foco da matéria”, disse Roberto durante suas indagações, contestando ainda o fato de a cervejaria estar e débito com a Receita Federal, portanto, não estaria apta a receber a doação do terreno a ser adquirido.

“Foi retirado pelo Município a palavra doação para cervejaria, agora o projeto tramita sozinho, de última hora, estão falando aí que vai ser ‘Cidade Gastronômica’. O que a Câmara precisa é o croqui da área, o que vai ser feito na área, o que pretende fazer, senão o projeto perde o significado e o objetivo”, acrescentou o vereador.

O assessor da Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos, Jonathan Ferreira, relatou que há três semanas que o Executivo encaminhou um substitutivo, mas desde o início sempre se falou em implantação da Cidade Gastronômica no Barreiro.

“Esse projeto veio para a Câmara porque é necessária a aprovação legislativa para a aquisição de áreas. A área tem que ser adquirida e não desapropriada por se tratar de uma área do Estado de Minas Gerais e pertence à Cemig, uma empresa pública, ela faz parte da estrutura administrativa do Estado. O município não pode desapropriar área do Estado e nem da União”, comentou, justificando contestações de que em passado recente o Município adquiriu áreas, mas de particulares, sem a necessidade de autorização legislativa e sim via decreto-lei.

Jonathan conta que a aquisição da área já foi tratada pela Cemig e recebeu aprovação da estatal. “Essa aquisição vai se dar na forma de edital porque é uma área que está em processo de leilão. A Cemig busca a venda dessa área por meio de leilão. Nós vamos adquirir nos termos de leilão. É um valor que se encontra abaixo do preço de mercado e vai ser pago em 48 parcelas não sobrecarregando os cofres públicos. É uma área que se pretende, já se esclareceu em projeto substitutivo, de forma mais clara, para implantação desse vetor gastronômico que vai ligar o Centro da cidade ao Barreiro, criar novos empreendimentos turísticos naquela área”, acrescenta.

Forúm Comunitário promovido nesta segunda (5) - Ascom Câmara

O líder do governo na Câmara, vereador Professor Cachoeira (PDT) diz que o substitutivo já está apto para ser votado e solicitou à Mesa Diretora para que o colocasse em votação não na Reunião Ordinária desta semana, pois trata-se de um projeto que vai gerar empregos e dar visibilidade turística para Araxá.

O vereador Marcílio da Prefeitura (PT) acrescentou que a Cidade Gastronômica vai interligar o alto da avenida Imbiara com o Barreiro, criando um aparelhamento turístico como forma de fomentar o setor.

Também em defesa do projeto, o vereador Pastor Moacir (PDT) destacou que o Município tem uma grande oportunidade de adquirir um espaço a um preço bem mais acessível para desenvolver o setor econômico, pois, segundo ele, trata-se de uma área que estaria avaliada em R$ 4 milhões e está sendo ofertada a pouco mais de R$ 600 mil, podendo ainda ser dividido em várias parcelas.

Por outro lado, o vereador Sargento Amilton (PTdoB), vice-presidente da Casa, se mostrou bastante preocupado com o futuro do Barreiro devido às especulações de se implantar fábrica de cerveja e loteamento nas imediações.

O vereador Juninho da Farmácia (DEM) reforçou as palavras do vereador Roberto do Sindicato dizendo que deve-se comprovar o interesse público na aquisição da área, e não comprá-la simplesmente por especulação. Questionou ainda quantos empregos e impostos seriam gerados se caso concretizar realmente a vinda da fábrica de cerveja.

O vereador Fabiano Santos Cunha (PRB) relatou que é favorável ao crescimento e progresso da cidade, mas muito antes disso deve ter claramente no projeto o que se pretende fazer.

O vereador Eustáquio Pereira (PTdoB) disse que não pode concordar com um projeto que se gaste R$ 600 mil para comprar terreno sendo que com valores bem menores deve-se resolver prioridades que tem demandado em seu mandato como reforma de creches e escolas do Município que estão em condições bastantes precárias, exemplificando a Creche Araci Pedrelina de Lima e a Escola Infantil Francisco Braga.

A Cervejaria Wäls foi convidada a participar do Fórum Comunitário, mas não compareceu sob a justificativa encaminhada em ofício de que está com excesso de compromissos agendados. Na nota relatou ainda que se desculpa por toda a polêmica causada com a ida da empresa para a implantação da ‘Cidade Gastronômica’, e a escolha por Araxá se dá simplesmente por acreditar nos projetos da terra natal (os proprietários são araxaenses), gerar empregos, impostos e compartilhar o sucesso de todos os seus produtos.

Relatou ainda que o processo de industrialização é de baixíssimo impacto ambiental e de acordo com a legislação vigente, e que a escolha da área proposta é por se aberta ao público e totalmente ligada ao turismo gastronômico.

O projeto segue em tramitação na Câmara.

Presenças

– Assessor da Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos, Jonathan Renaud de Oliveira Ferreira.

– Representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias, Mauro Marcos da Rocha Júnior.

– Superintendente do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Araxá, Carlos Alberto Delfino Pereira.

– Presidente da Associação de Moradores do Bairro Fertiza, José Lorena.

– Representante da Associação de Moradores do Barreirinho, Luciano Rios.

Notícias relacionadas