Laudo descarta caso de gripe suína em Araxá

Laudo descarta caso de gripe suína em Araxá

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou hoje (13) o laudo que descarta o primeiro caso em Araxá de suspeita de Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína. Foram dezesseis dias de espera até que a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Uberaba descartasse na última sexta-feira, a suspeita do caso em Araxá. Segundo o secretário municipal de Saúde, Antônio Marcos Belo, as análises são feitas na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e devido ao grande número de casos houve a demora do laudo.

“Felizmente, nós fomos informados na sexta-feira pela GRS de Uberaba que o exame foi negativo, para nossa alegria e de todos de Araxá. Isso é ótimo e ao mesmo tempo nos alertou para a importância de Araxá, como cidade turística, estar realizando prevenções e ações que já foram, inclusive, reconhecidas pelo Estado”, conta o secretário.

Segundo ele, foi elaborado o plano de ação contra a Influenza A, com medidas preventivas em hospitais, hotéis, no aeroporto, rodoviária e outros estabelecimentos. “Ter dado negativo foi um ganho e um alerta no sentido de criar um mecanismo para evitarmos um caso na cidade”, destaca.

“O trabalho continua, principalmente por Araxá ser uma cidade turística. Os hotéis que recebem muitos turistas, nós estaremos fazendo esse papel de conscientização, assim como na Festa do Motorista, pois temos caminhoneiros que viajam para o exterior e a primeira morte de gripe suína na Brasil foi de um motorista, no Rio Grande do Sul”, acrescenta.

Diagnostico da mulher

De acordo com o secretário, a mulher com suspeita de gripe suína teve uma gripe normal. “Foi identificado o caso no PSF (Programa Saúde da Família) da Vila Estância. Ela tinha vários sintomas compatíveis com a gripe suína e teve contato recente com um mexicano. Fizemos o isolamento na residência dela, orientamos as pessoas no local de trabalho para permanecerem em casa. Agora temos a informação que o laudo deu negativo, mas mantemos o procedimento e o contato com hotéis que recebem este tipo de turista”, conta.

A mulher passou por acompanhamento médico, se curou e voltou ao trabalho. “A maturação do vírus acontece de cinco a sete dias. Passados esses dias, os sintomas voltam ao normal e já configura que a situação está tranquila. Mas, se nesse intervalo não houvesse acompanhamento médico e tratamento, poderia ter levado à morte no caso de gripe suína”, diz.

Demora do resultado

Antônio Belo destaca que o exame que confirma ou descarta casos de Influenza A só é feito na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. “Como o número de análises cresceu muito no Brasil, houve a demora do resultado. Uberaba fez a coleta, despachou para o Rio, o laboratório da fundação fez a análise e encaminhou de volta. Uma demora de dez a doze dias para se ter um resultado é um risco muito grande para a população, tem que se trabalhar para que os laudos saiam o mais próximo do acontecido”, afirma.

Notícias relacionadas