Super banner
Super banner

Minas investe para conservar 28 mil hectares de matas

Minas investe para conservar 28 mil hectares de matas

Minas investe para conservar 28 mil hectares de matas 1

Da Redação – O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) em parceria com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), divulgou nesta sexta-feira (22) a lista dos 978 proprietários e posseiros rurais que serão beneficiados pelo Programa Bolsa Verde. A iniciativa de garantir o benefício a todas as regiões do Estado, inédita no país, representará um investimento de R$ 6,5 milhões na conservação de 28 mil hectares de vegetação nativa.

O pagamento dos benefícios está previsto para o final de agosto. A listagem das propostas encaminhadas pelos produtores rurais que foram selecionados para o recebimento dos recursos do Bolsa Verde está disponível no endereço www.ief.mg.gov.br/images/stories/bolsaverde/divulgacao_bv3.xls. Os pagamentos serão efetuados pelo IEF, entidade que compõe o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema).

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, ressalta a importância do programa como uma forma de incentivo a conservação ambiental, atuando na geração de emprego e renda. “Esse é mais um compromisso cumprido pelo Governo do Estado, já que estava previsto no Plano de Governo apresentado a sociedade em 2010”, completa.

Análise

Neste mês a secretaria executiva do Programa Bolsa Verde concluiu a última fase de análise técnica das propostas apresentadas em 2010, para a concessão do benefício pela manutenção da cobertura vegetal nativa. Essa análise atende à deliberação tanto da Câmara de Proteção à Biodiversidade e Áreas Protegidas (CPB) do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), como do Comitê Executivo do Programa Bolsa Verde (CEBV). Depois de feitas três reanálises foram aprovadas 303 propostas que propiciarão a 978 propriedades ou posses rurais o recebimento do pagamento por serviços ambientais.

O pagamento do benefício garante, ainda, que a área a ser conservada por, pelo menos, mais cinco anos, ultrapasse os 28 mil hectares de área nativa. Isso, porque antes de receber o pagamento o proprietário ou posseiro assinará um Termo de Cooperação Mutua com o Instituto Estadual de Florestas (IEF).

Como receber

Para receber o pagamento pela preservação das áreas, os produtores rurais selecionados deverão procurar, até o dia 15 de agosto, as unidades do IEF no interior ou as seguintes entidades parceiras: Cooperativa Agropecuária dos Pequenos Produtores Rurais de São Francisco Ltda. (Coopasf); Cooperativa dos Agricultores Familiares da Fazenda Santa Maria (Coopersam); Instituto Xopotó; Associação pelo Meio Ambiente de Juiz de Fora (AMAJF); 4 Cantos do Mundo e Amanhagua.

A estas entidades vários produtores rurais entregaram o “Registro de Dados para a Modalidade de Manutenção da Cobertura Vegetal Nativa” e nestes locais os beneficiários assinarão o Termo de Cooperação Mútua e entregarão os documentos restantes para ingresso no Programa Bolsa Verde.

O pagamento não será efetuado enquanto não houver o encaminhamento da documentação que não tenha sido remetida anteriormente, como, por exemplo, o número da agência e conta corrente.

De acordo com Fabiana Moreira, da Secretaria Executiva do Bolsa Verde, é importante que os beneficiários fiquem atentos para o processo possa ocorrer o mais rápido possível. “Estabeleceu-se o prazo até o dia 15 de agosto para o envio dos Termos as unidades do IEF no interior para que possamos concluir essa etapa até o final de agosto. Devemos lembrar que o pagamento será realizado de forma simultânea para todos os contemplados”, alerta.

Acordo de resultados

Na assinatura do Acordo de Resultados (um contrato de gestão que prevê metas e ações) com a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), o IEF pactuou o pagamento pela manutenção de 10 mil hectares, o que foi superado com o alcance de mais de 28 mil hectares.

Além disso, o Bolsa Verde também cumpriu a segunda meta pactuada no Acordo de Resultados, de que pelo menos 70% do recurso do Programa fosse destinado ao pagamento aos beneficiários. Dos R$ 8,6 milhões autorizados para 2011, R$ 6,5 milhões serão repassados de imediato, o que corresponde a 75,6% da verba disponibilizada para o Programa. O restante será pago as propostas apresentadas e aprovadas em 2011.

Notícias relacionadas