Super banner
Super banner

Mineirão terá torcida com bandeiras nos próximos jogos

Mineirão terá torcida com bandeiras nos próximos jogos

Oito anos depois, atleticanos e cruzeirenses poderão tremular novamente as suas bandeiras no Mineirão, fazendo dos últimos jogos de Atlético e Cruzeiro em 2008 espetáculos ainda mais bonitos. A decisão, em caráter experimental e somente para este ano, exclusivamente no Mineirão, vale a partir de domingo (23), quando o Cruzeiro enfrenta o Flamengo, às 17h; para o jogo Atlético x Santos, no dia 30; e para Cruzeiro e Portuguesa, no dia 7 de dezembro. Em cada uma das partidas, serão permitidas 100 bandeiras, com tamanho a partir de 3,5m e mastro de bambu com mínimo de seis metros de comprimento, no anel superior do estádio.

O responsável pela bandeira deve ser vinculado a uma das Torcidas Organizadas do Atlético ou Cruzeiro e ser cadastrado previamente junto à Polícia Militar. Além do nome completo, endereço, telefone e números da carteira de identidade e do CPF, o cadastro deve conter nomes do pai e da mãe e o nome da torcida organizada a qual o torcedor está vinculado. Para portar a bandeira no estádio, o torcedor deverá se apresentar à PM, nos dias de jogos, no intervalo de 13h30 a 14h30, para quando a partida estiver marcada para as 17h; ou entre 14h30 e 15h30, se o jogo for às 18h10. O torcedor do Cruzeiro deverá entrar pelo portão seis e o do Atlético pelo portão 12. Os mastros deverão ser entregues pelas torcidas, antecipadamente, à Administração dos Estádios de Minas Gerais (Ademg), que deverá guardá-los no Mineirão. Tanto os tecidos quanto os mastros serão vistoriados pela polícia antes dos jogos.

A proibição das bandeiras ocorreu porque os mastros acabavam sendo usados para agredir torcedores rivais durante brigas. O fato culminante foi em 2000, quando as torcidas de Cruzeiro e São Paulo protagonizaram um grave confronto no Mineirão. Os critérios que regulam a volta provisória das bandeiras foram definidos após um dia inteiro de negociações. Participaram representantes do Atlético, Cruzeiro e América, da Federação Mineira de Futebol (FMF), da Ademg, do Ministério Público (MP), da Secretaria de Defesa Social, das polícias Militar e Civil e da Defensoria Pública. “As condições foram estabelecidas pelas polícias em comum acordo com os demais envolvidos para evitar que a volta das bandeiras represente risco e violência no Mineirão”, explicou o secretário de Defesa Social, Maurício Campos Junior.

Segundo a PM, a definição das medidas do tecido e do mastro obedeceu a critérios de segurança e é compatível com o tamanho das bandeiras que as torcidas já possuem. O responsável pelo policiamento no Mineirão, tenente-coronel Antônio Carvalho Pereira, explicou que, quanto menor o tamanho do mastro, mais facilmente ele poderá ser transformado numa arma para quem não quer apenas torcer. Por isso, acrescentou, a PM não permitirá a entrada de bandeiras com tamanho inferior ao estabelecido.

Porta-voz dos clubes na reunião, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, disse que a volta das bandeiras, mesmo num projeto piloto válido somente para as três ultimas partidas deste ano, vai trazer mais alegria ao estádio. “O nosso objetivo é fazer dos jogos um espetáculo cada vez mais bonito de se ver e do futebol um negócio financeiramente mais viável para os clubes”, disse. Kalil, que elogiou o Governo do Estado, o Ministério Público e todos os envolvidos pela disposição de voltar com as bandeiras ao Mineirão, acrescentando que cabe ao torcedor se comportar bem no estádio e permitir que a medida possa ser definitiva a partir de 2009.
 
  

Notícias relacionadas