Pesquisa mostra evasão de 30% em cursos superiores privados

Pesquisa mostra evasão de 30% em cursos superiores privados

A 8ª edição do Mapa do Ensino Superior, publicada nesta quinta (27), mostra que a evasão dos cursos do ensino superior no país atingiu 30,1% na rede privada e 18,5% na rede pública. Nos cursos de educação a distância (EaD), o índice chegou a 36,6% na rede privada e a 30,4% na pública.

Os dados levam em conta o ano de 2016 e foram divulgados hoje pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp).

De acordo com o levantamento, a evasão em 2015 foi de 28,6% na rede privada; e 18,4%, na pública. Nos cursos EaD, 34,2% na privada e 28,7% na pública.

O mapa detalha também a evolução do Programa de Financiamento Estudantil do Governo Federal (Fies). De 2010 a 2014, o número de contratos firmados pelo Fies cresceu 864% (eram 76 mil contratos em 2010 e passaram a 733 mil). Do final de 2014 até 2017, os contratos firmados caíram 77%, chegando a 287 mil em 2015, 204 mil em 2016 e 168 mil 2017. No primeiro semestre deste ano, foram ofertadas 80 mil vagas.

De acordo com a pesquisa, nos cursos presenciais, a maioria dos alunos matriculados (53,4%) está na faixa etária de 19 a 24 anos; na rede pública, o percentual é de 57,9%; na rede privada, de 51,6%. A média geral é de 22 anos nos cursos presenciais.

Já nos cursos EaD, a média geral é de 30 anos. Nos cursos a distância na rede privada, o maior número (57%) encontra-se na faixa etária de 25 a 39 anos. Já na rede pública, 57,8% dos alunos está na faixa etária de 25 a 39 anos.

“O Brasil está perpetuando as gerações sem acesso ao ensino superior. Considerando a faixa etária do aluno do presencial e do EAD, aliada ao baixo crescimento e à estagnação dos cursos presenciais, é possível afirmar que o Brasil não está conseguindo ampliar o ingresso do jovem ao ensino superior. As principais razões são política de financiamento estudantil ineficiente, dificuldades de acesso ao ensino público e falta de motivação dos jovens”, afirmou o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato.

O Mapa do Ensino Superior mostra ainda que a taxa de escolarização líquida, que estima o percentual de jovens de 18 a 24 anos que estão matriculados no ensino superior, em relação ao total da população nessa mesma faixa etária, era de 18,5% em 2016. No total, havia 8,05 milhões de alunos matriculados no ensino superior em 2016. Destes, 6,06 milhões em cursos presenciais (75%) e 1,99 milhão em cursos EaD (25%). Em comparação a 2015, o setor cresceu apenas 0,2%: uma leve queda de 0,3% na rede de ensino privada e um pequeno acréscimo de 1,9%, na rede pública.

“Historicamente, os jovens foram excluídos por anos do ensino superior. E ainda hoje a taxa líquida de escolarização no Brasil, entre os jovens de 18 a 24 anos, é de apenas 18%, bem abaixo da média mundial, e muito distante da meta 12 do Plano Nacional da Educação, que prevê ampliar para 33% o número de jovens no ensino superior até 2024”, disse Capelato.

Fonte: Agência Brasil

Notícias relacionadas

Inscreva-se
Me avise:
guest
1 Comentário
Novos
Antigos Mais votados
Comentários em linha
Mostrar todos os comentários
1
0
Deixe seu comentário para essa notícia!x