Super banner
Super banner

Qualquer eleitor pode iniciar processo de cassação de um vereador

Qualquer eleitor pode iniciar processo de cassação de um vereador

Qualquer eleitor pode iniciar processo de cassação de um vereador 1

A prisão de seis vereadores nas últimas semanas em Araxá por suspeitas de envolvimento em desvio de dinheiro da Santa Casa de Misericórdia e prática de corrupção na Câmara Municipal deixou a população indignada. Três deles já confessaram os seus crimes. As redes sociais estão lotadas de pedidos de cassação dos parlamentares. Porém, quase ninguém sabe que o próprio eleitor pode iniciar o processo de cassação fazendo uma denúncia no Legislativo.

O artigo 7º do Decreto-Lei nº 201, de 27 de fevereiro de 1967, determina que a Câmara Municipal pode cassar o mandato de vereador quando o mesmo utilizá-lo para a prática de corrupção,  proceder de modo incompatível com a dignidade do Legislativo ou faltar com o decoro na sua conduta pública. Já o artigo 5º desse Decreto-Lei trata do rito do processo de cassação. Qualquer eleitor pode fazer a denúncia escrita da infração cometida pelo vereador, com a exposição dos fatos e a indicação das provas.

A denúncia também pode ser feita por um vereador. De posse da denúncia, o presidente da Câmara Municipal determinará sua leitura e consultará os vereadores sobre o seu recebimento. Decidido o recebimento, pelo voto da maioria dos presentes, na mesma sessão será constituída a Comissão Processante composta por três vereadores sorteados entre os desimpedidos, os quais elegerão o presidente e o relator. Se um vereador for o denunciante, ele não pode compor a Comissão Processante.

O presidente da comissão notificará o denunciado para que o mesmo apresente a sua defesa prévia por escrito no prazo de 10 dias. Depois disso, a comissão tem cinco dias para emitir parecer sobre o prosseguimento ou arquivamento da denúncia. Se a comissão decidir pelo prosseguimento, o presidente designará o início da instrução, e determinará os atos, diligências e audiências que se fizerem necessários para o depoimento do denunciado e inquirição das testemunhas.

Concluída a instrução, será aberta vista do processo ao denunciado e a Comissão Processante emitirá parecer final pela procedência ou improcedência da acusação, solicitando ao presidente da Câmara Municipal a convocação de sessão para julgamento. A votação é nominal e são necessários os votos de dois terços dos membros da Câmara para a cassação do vereador. No caso da Câmara de Araxá, um vereador será cassado se 10 parlamentares votarem a favor da sua cassação.

A Justiça Eleitoral tem que ser comunicada sobre o resultado desse julgamento. O processo de cassação deve ser concluído dentro de 90 dias, que começam a ser contados da data em que se efetivar a notificação do vereador acusado. Os vereadores presos e já liberados são Miguel Júnior (PMDB), Sargento Amilton (PTdoB), Pezão (PMDB), Eustáquio Pereira (PTdoB), José Domingos Vaz (PDT) e Juninho da Farmácia (DEM). Miguel, Eustáquio e Amilton já confessaram as suas participações em crimes investigados pela Polícia Civil e Ministério Público.

Fonte: Blog do Germano Afonso.

Notícias relacionadas