Queijo Minas Artesanal garante sustento de produtores mineiros

Queijo Minas Artesanal garante sustento de produtores mineiros

Um dos produtos mais típicos do agronegócio do Estado, de reconhecido valor cultural, histórico e econômico, o queijo minas artesanal vem ampliando as perspectivas de comércio e garantindo o sustento de muitos produtores do Estado.

A força vem principalmente da assistência técnica e do suporte da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) a produtores das regiões demarcadas pelo Programa Queijo Minas Artesanal (Araxá, Canastra, Serro, Cerrado e Campo das Vertentes). Há cerca de 29 mil produtores do queijo minas artesanal nestas regiões.

Entre as ações que a Emater-MG executa nas regiões produtoras estão a elaboração de projetos, captação de recursos para investir no setor e a oferta de cursos de capacitação em boas práticas agropecuárias e de fabricação, para reciclar os fabricantes.

Segundo a coordenadora técnica estadual do Programa Queijo Minas Artesanal, Marinalva Soares, os extensionistas da Emater-MG já participam de cursos de Associativismo e Gestão, necessários agora com a implantação dos Centros de Qualidade do Queijo Minas Artesanal.

A meta da empresa para o ano de 2010 é prestar assistência técnica a mil produtores até o final do ano, estimulando o cadastramento das queijarias no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). O órgão público mineiro é o responsável pela inspeção sanitária.Até o final de abril, 134 fabricantes do queijo minas artesanal cadastraram suas queijarias no IMA. Agora são 22 na Canastra, 71 no Serro, 13 em Araxá e 28 no Cerrado.

O cadastramento, defende o coordenador do Programa Queijo Minas Artesanal, Albany Árcega, agrega valor e qualidade ao produto. “Tanto sob o ponto de vista da segurança alimentar, pois beneficia o consumidor, quanto sob a ótica do empreendedor, uma vez que a chance de conquistar mercados diferenciados aumenta, quando se tem um produto de qualidade superior. Diferença esta que, no caso do cadastramento, atesta um cuidado no preparo do queijo”, diz.

“O cadastramento é a comprovação oficial de que o produto não oferece risco à saúde do consumidor. O produtor tem nesta ferramenta, a porta de entrada para novos mercados, como nas grandes redes de supermercados, ampliando a participação no mercado formal”, acrescenta Árcega.

Com Agência Minas

Notícias relacionadas