Super banner
Super banner

Dia da Abolição da Escravatura no Brasil é lembrada pelo Coafro

Dia da Abolição da Escravatura no Brasil é lembrada pelo Coafro

Debate sobre a importante data - Foto: Caio Aureliano

DA REDAÇÃO/CAIO AURELIANO – O Conselho de Participação e Integração da Comunidade Afro-Brasileira de Araxá (Coafro) iniciou, nesta sexta-feira (10), a realização de atividades culturais para lembrar de uma data que representa muito para a comunidade negra de todo o Brasil, o Dia da Abolição da Escravatura – 13 de maio. A sede do Coafro, localizada em frente à Árvore dos Enforcados, promoveu uma mesa de debate para falar um pouco desse dia aos alunos da Escola Estadual Luiza de Oliveira Faria e convidados.

De acordo com o presidente do Coafro, Clayton Aires, a intenção é mostrar toda a cultura afro-brasileira para a comunidade de um modo geral. “Nós temos diversos grupos folclóricos na cidade e eles precisam ser mostrados, não só para os mais velhos, mas também aos alunos de sala de aula que não conhece um Congado, uma Folia de Reis, arte da Capoeira, Umbanda, Candomblé, enfim, é esse tipo de evento que temos que está fazendo diariamente e discutirmos assuntos para que possam difundir um pouco mais dessa cultura na cidade”, explica o presidente.

O 13 de maio é marcado como o Dia da Abolição da Escravatura no Brasil porque foi nessa data que os negros ganharam liberdade por meio da assinatura da Lei Áurea feita pela Princesa Isabel, em 1888, extinguindo a escravidão no Brasil. Para Clayton, o debate vai além de uma lembrança da data.

“Trouxeram traficados os negros da África para o Brasil, aí como que ficou o negro libertado naquela época, sem terra para plantar, sem dinheiro e sem condições nenhuma. O negro insistiu, superou todas as dificuldades e hoje a raça negra representa 70% da população brasileira. Temos que criar fórmulas para gente entrar, assim como brancos, no poder público, e tirar essas diversidades que está tendo nos dias de hoje buscando por meio da educação”, comenta Clayton Aires.

Em Araxá, um dos órgãos mais importantes, a Câmara Municipal, tem a primeira vereadora negra de sua história. Para Néia da Uninorte (PDT), o negro precisa de maior espaço e mostrar o seu trabalho. “Nós somos muito respeitados na Câmara Municipal. Pertenço à Comissão de Cultura (Educação, Saúde e Cultura) e estamos à disposição. Nós vamos apresentar um projeto, um Conselho da Cultura, em nossa cidade que vai abranger Congado, Folia de Reis, Carnaval, enfim, todos os tipos de cultura para Araxá”, acrescenta a vereadora.

Alunos da Escola Estadual Luiza de Oliveira Faria, acompanhados pelo professor de História, Marco Antônio Menezes, assistiram ao debate que, segundo o estudante João Vítor Gonçalves, foi positivo. “Traz mais conhecimento para todos. Está conhecendo a cultura negra é uma experiência bastante positiva”, destacou o aluno.

O professor afirma que quanto mais conhecimento melhor para os alunos. “São através de eventos como esses que os alunos conscientizam que somos todos iguais e, apesar de existir preconceitos e discriminação, levam a uma reflexão que a verdade é uma só, que há uma raça que é a humana”, coloca o professor.

No sábado (11), o Coafro promove um Encontro de Congada e Moçambique na Chácara Raízes Mineiras a partir das 18h, encerrando as atividades relacionadas ao Dia da Abolição da Escravatura no Brasil.

Mais informações sobre as atividades pelo tefefone (34) 3661-8846.

Notícias relacionadas