Fórum Comunitário debate o valor dos combustíveis em Araxá

Fórum Comunitário debate o valor dos combustíveis em Araxá

O Plenário da Câmara Municipal de Araxá, recebeu nesta segunda – feira (10) um Fórum Comunitário para discutir os preços dos combustíveis praticados em Araxá. Participaram do evento representantes da defensoria pública, Secretários Municipais, Sindicato Minaspetro, Polícias Civil e Militar, Associação Comercial, Industrial, de Turismo, Serviços e Agronegócios de Araxá (ACIA), distribuidoras de petróleo, proprietários de postos de combustíveis, população e imprensa. O Presidente do Poder Legislativo, Vereador Fabiano Santos Cunha (PRB), conduziu o evento e aproveitou a oportunidade para lembrar que os Fóruns são uma oportunidade para que os vereadores possam requerer debates sobre assuntos de relevância para a população.

O vereador solicitante do Fórum, Luiz Carlos Bittencourt (PTN), agradeceu a presença expressiva de proprietários de postos e destacou que o encontro é uma oportunidade de esclarecer o assunto que gera inúmeros questionamentos da população que frequentemente solicita explicações sobre a diferença de preços dos combustíveis praticados em Araxá e cidades vizinhas. Ele apresentou uma comparação entre os valores praticados em Uberaba, Uberlândia e Araxá.

Segundo a advogada do Sindicato Minaspetro, Mariana Cerizze, é comum a diferença de preços entre cidades vizinhas. Ela citou alguns fatores que podem interferir nos preços praticados em cada município, como quantidade de veículos, número de postos sem bandeira e renda per capita. Ela citou exemplos de cidades em que a queda extrema dos preços, devido à concorrência, causou o fechamento de diversos postos.

Ivan Biondi, proprietário dos postos Petrobull, lembrou que o mercado de combustíveis em Araxá já foi alvo de investigações, não sendo considerado um mercado carterizado, embora exista um paralelismo de preços. Ivan citou dados para mostrar a atual situação do setor em Araxá, que possui hoje 30 postos de combustíveis, sendo que em um período de 3 anos, três fecharam e 12 trocaram de operador ou proprietário.

Alessandro Martins, representante da Cia de Petróleo Zema, lembrou que a empresa pratica os mesmos preços em diferentes cidades e que apenas o valor do frete é diferente. Ele alertou que os impostos representam 70% do valor da gasolina.

José Freud é proprietário de postos da Rede Alpa e apontou fatores que justificam a diferença de valores praticados em Araxá como: baixo volume de vendas devido ao reduzido número de veículos por posto, boa qualidade do combustível vendido, elevado número de funcionários por posto, inadimplência e alto índice de vendas a prazo.

O Delegado de Polícia Civil, Cristiano Dib parabenizou o legislativo pela iniciativa de discutir o assunto em uma sociedade que precisa de mais debates. Ele esteve presente para coletar informações e conhecer a realidade do seguimento em Araxá.

Os Vereadores Edinho Souza (PTB), Fárley Pereira de Aquino (DEM), José dos Reis de Paula (Zezinho-PT) e Robson Magela (PRB) foram signatários do evento. Como vereador solicitante do Fórum, Luiz Carlos, finalizou o evento agradecendo a presença dos vereadores, imprensa, comunidade e empresários que se dispuseram a prestar esclarecimentos à população, ele também lamentou a ausência de algumas distribuidoras de combustíveis.

Fonte: Ascom Câmara Municipal de Araxá

Notícias relacionadas

2 Comentários

  1. Carlucio Santana

    O Fórum em discussão nao é competência do ldgislativo municipal. A prática abusiva de precos de combustíveis é o retrato do CARTEL que ai está. Preços de combustíveis quem regulamenta é a ANP e o Governo Federal. Ao invés de ficarem ocupando tempo com assuntos irresoolúvel, deveriam serem mais objetivos com propostas pertinentes para o bem comum da sociedade
    Acorda Araxa (…)

    Responder
  2. Helio

    Afinal não mudou nada e nem mudará! Uma vergonha… Muito bla bla bla… se fosse um negócio ruim não teria 30 postos em Araxa.

    Não há justificativa para esses preços exorbitantes!

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *