Vacinação é o principal meio de evitar a febre amarela

Vacinação é o principal meio de evitar a febre amarela

A meta para cobertura vacinal de febre amarela, estabelecida pelo Ministério da Saúde, é de 95%. Em Minas Gerais, embora a cobertura já tenha alcançado 91,4%, estima-se que cerca de 3 milhões de mineiros ainda não foram se vacinar. Um alto número, se considerarmos que a vacina faz parte do calendário rotineiro de vacinação de Minas Gerais desde 2008 e encontra-se disponível nos postos de saúde de todo o estado, durante todo o ano.

A coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Eva Lídia Arcoverde, explica que o perfil dos não vacinados concentra-se especialmente na faixa-etária de 15 a 59 anos de idade, justamente a mais acometida pela epidemia de febre amarela silvestre ocorrida em 2017 e 2018.

De acordo com Eva Lídia, desde o início das notificações dos casos suspeitos de febre amarela silvestre que ocorreram no estado, no final de 2016, foram adotadas diversas ações, entre elas a realização da vacinação casa a casa, nas regiões mais afetadas, na tentativa de alcançar a população não vacinada. Essa e outras estratégias, realizadas pelo Estado e municípios, elevaram a cobertura vacinal acumulada geral de 57,5%, no período de 2007 a 2016, para 91,4%, atualmente.

No período de monitoramento 2018/2019 até a presente data, não foram registrados casos humanos confirmados de febre amarela silvestre no estado de Minas Gerais. Mais informações, clique aqui e acesse o último boletim epidemiológico da febre amarela.

Período sazonal

O período compreendido entre dezembro e maio é característico por apresentar um aumento nos índices de chuva e, consequentemente, na proliferação do vetor de transmissão da febre amarela silvestre, o Haemagogus e o Sabethes. Como nesse cenário a probabilidade da ocorrência de casos é maior, a vacina continua sendo a melhor forma de prevenção.

Toda pessoa acima de nove meses de vida que mora ou vai viajar para área rural, de mata ou silvestre deve procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para se vacinar contra a Febre Amarela.

A vacina é gratuita e oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Idosos acima dos 60 anos e gestantes devem ser avaliadas por uma equipe de saúde em relação ao benefício e risco da vacinação, levando em conta o risco de eventos adversos.

Sintomas

A febre amarela é classificada como uma doença infecciosa grave, que provoca febre, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Os primeiros sintomas aparecem de 3 a 6 dias depois da infecção. A orientação é buscar um serviço de saúde aos primeiros sinais.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para febre amarela, apenas sintomático. Os pacientes que necessitarem de hospitalização devem ter uma cuidadosa assistência, permanecendo em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado.

Vacinação

Segundo a coordenadora Estadual de Imunização, “a preocupação maior neste ano seria com o sul de Minas e com a Triângulo mineiro, que são regiões com baixas coberturas vacinais e, no caso do município de Varginha, com a ocorrência de epizootias ( morte de primatas) confirmada.  Eva Lídia Arcoverde reforça que a vacina contra febre amarela é considerada altamente eficaz e segura na prevenção da transmissão do vírus.

“A proteção é individual, de cada um. Por isso é que, no caso da febre amarela, nosso ideal deveria ser atingir uma cobertura de 100% da população. O vetor está presente no nosso ambiente, circulando com o vírus e logo as pessoas, que não tenham se vacinado, estarão expostas”, afirma a coordenadora.

De acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde adotou os padrões internacionais da dose única. Ou seja: quem tomou uma dose da vacina da febre amarela em qualquer fase da vida está imunizado pelo resto da vida, e não precisam do reforço.

“Caso a pessoa não tenha o cartão de vacinação, a orientação é procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima da sua casa para fazer um novo Cartão de Vacina pelo SUS, e assim, se vacinar normalmente. Lembre-se: o cartão é um documento muito importante que reúne todo o seu histórico vacinal durante a vida. Por isso, o guarde com cuidado”, orienta Eva Lídia.

Atualmente, Minas Gerais conta com cerca de um milhão doses disponíveis para distribuição aos municípios e, caso seja necessário, doses adicionais poderão ser solicitadas ao Ministério da Saúde.

 

Fonte: Agência Minas

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *