Super banner
Super banner

Programa destinado para agricultores familiares de Minas projeta alcance de 12 mil famílias até 2018

Programa destinado para agricultores familiares de Minas projeta alcance de 12 mil famílias até 2018

A atuação conjunta da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) com o Governo Federal prevê atendimento a 12 mil famílias de agricultores, em 476 municípios mineiros, por meio do programa Brasil Sem Miséria, lançado em 2011.

Destinado a agricultores familiares em situação de extrema pobreza – com renda per capta de até R$ 85 por mês – e que estejam incluídos no Cadastro Único do Governo Federal, o Brasil Sem Miséria fornece aos beneficiários o valor de R$ 2,4 mil a fundo perdido para investimento em um projeto produtivo.

Os extensionistas da Emater-MG ajudam as famílias a elaborar os projetos para receber os recursos, dão assistência técnica na implantação da atividade e orientações sobre a comercialização. Já os técnicos da Seda executam o termo de cooperação e fiscalizam o programa.

Segundo o coordenador estadual e gestor do programa, Thiago Carvalho, entre 2012 e 2015 já foram atendidas cerca de 8 mil famílias.

“O objetivo agora é atender 12 mil famílias até 2018. Já temos 2,5 mil famílias selecionadas, com os diagnósticos feitos pelos técnicos da Emater e com projeto produtivo estruturado, esperando apenas a liberação da primeira parcela”, ressalta Carvalho.

Primeiro, a família recebe uma parcela de R$ 1,4 mil e depois o restante do valor (R$ 1 mil). Os territórios Norte, Caparaó, Mata e Alto Jequitinhonha são os que terão mais pessoas contempladas nesta etapa. As atividades mais procuradas pelos beneficiários são avicultura, horticultura e fruticultura.

“O mais importante é que a atual gestão tem buscado a integração dessas famílias nas diversas políticas públicas, nas esferas municipal, estadual, federal. A família beneficiada pelo programa é também encaminhada, por exemplo, para ter acesso a linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar  (Pronaf), para fornecer para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), para vender em feiras livres, entre outras ações”, conclui Thiago Carvalho.

Notícias relacionadas

Inscreva-se
Me avise:
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Mostrar todos os comentários
0
Deixe seu comentário para essa notícia!x