Internet conecta cafeicultores familiares com o mercado

Internet conecta cafeicultores familiares com o mercado
Foto: Divulgação/Emater-MG

Cafeicultores familiares de Minas Gerais estão aprendendo a utilizar o computador para gerenciar as atividades no campo, enviar e-mails e acessar informações de mercado.

Por meio de uma parceria entre a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) e a Iniciativa do Comércio Sustentável, os produtores agora podem participar de cursos gratuitos sobre sustentabilidade na cafeicultura e informática.

As aulas são realizadas em 14 municípios, nas regiões produtoras do Sul de Minas, Zona da Mata e Vale do Jequitinhonha. São eles: Laginha, Alfenas, Poço Fundo, Três Pontas, Ouro Fino, Conceição das Pedras, São Gonçalo do Sapucaí, Pedralva, Muzambinho, Juruaia, Guaxupé, São Pedro da União, Carangola e Capelinha.

Os cursos têm duração de três meses, com uma aula por semana. Na parte de informática, os produtores têm aulas sobre Word, Excel, acesso à internet e também aprendem como criar um e-mail. Para o primeiro semestre deste ano, foram montadas 14 turmas, cada uma com média de 12 alunos.

Segundo o coordenador estadual de Cafeicultura da Emater-MG, Bernardino Cangussú Guimarães, o mercado do café é muito dinâmico e os cafeicultores precisam de informações de qualidade para evitar prejuízos. “Muitas vezes essas informações, que agregam valor à produção, estão disponíveis em sites. Se o produtor não consegue acessá-las, ele perde dinheiro e oportunidade de conhecimento”, afirma.

O produtor de café e leite Mário Aparecido de Abreu, do município de Ouro Fino, é um dos mais animados do curso. “Tem ajudado muito. Sabendo utilizar o computador, eu consigo ver preços do café e leite. Isso é importante para eu vender o meu produto por um preço adequado”, diz.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário: